jorgebenjor_grande Café é o nome de uma das músicas mais conhecidas do cantor brasileiro Jorge Ben Jor. A encerrar o álbum lançado em 1995, Homo Sapiens, o artista canta nesta música  a história do café “preto que virou ouro”, homenageando muito discretamente a origem dos seus antepassados.

Existem muitas referências a café na cultura musical. No entanto, não há talvez nenhuma canção como a do guitarrista, cantor e compositor brasileiro Jorge Ben Jor. Tendo como pano de fundo ritmos quentes do funk e bossa nova, com claras influências árabes e africanas, a música Café fala-nos de amor e história.

“Meu amor, meu amor, me faz um cafezinho” é apenas a introdução para a narrativa poética do pequeno grão de café que “virou ouro nas terras do Salgueiro em 1727”. Uma epopeia musical, que aprofunda as sensações quentes do café e nos faz ver a paixão como o açúcar que adoça a cafeína: “me dá um cafezinho, com açúcar e com beijinhos!”

E para quem conhece a música mas não o artista, eis uma curiosidade: a referência que Jorge Ben Jor faz à sua mãe no final da música. O verso “Planta maravilhosa da Etiópia” não é apenas uma referência à planta do café: é também uma bonita referência à sua mãe, nascida na terra do café, a Etiópia.

O homem por detrás do “Café”

Jorge Ben Jor – nome artístico para Jorge Duílio Lima Meneses – nasceu no Rio de Janeiro em 22 de março de 1945. Desde cedo que seguiu o caminho da música, lançando o seu primeiro álbum em 1963 e encontrando rapidamente um lugar na histórica musical da América Latina.

Os seus álbuns são como uma chávena de muitos sabores: samba rock (um casamento que ele próprio estabeleceu entre o rock n’ roll e o samba), jazz, bossa nova, maracatu, funk, ska e até mesmo hip hop. Será sempre uma referência no Brasil, já que incorporou com mestria os acordes do rock, soul e funk num mero violão.

Além de referências históricas que evocam o património do seu país, Jorge Ben Jor é conhecido também pelas suas letras humorísticas e até mesmo satíricas, chegando mesmo a incluir temas esotéricos.