vinicius-powell-grande O Brasil é o país com maior produção de café. Entranhada na cultura do país, a bebida inspirou poemas e canções. “Samba do Café” é uma música de Vinicius de Moraes em conjunto com Baden Powell.

Samba do Café: amor, café e Brasil

Vinicius de Moraes juntou-se a Baden Powell para prestar uma bonita homenagem ao seu próprio país e ao café, o pequeno grão que faz parte da história brasileira. “Samba do Café” é por isso um poema, uma receita e uma carta de amor em versão cantada.

A canção parte com os versos “Para fazer um bom café, meu bem/Como se faz, lá no Brasil/Precisa pôr tudo a ferver, meu bem” e avança, apresentando nos versos seguintes metáforas que são claras indiretas ao amor de uma mulher.

Para encerrar, fica para sempre o conforto das palavras que nos aquecem o coração: “O seu café vai ser doce/Como se fosse um beijinho/De uma mulher/Que faz um bom café/Lá no Brasil! Lá no Brasil!”.

O cantor, diplomata, jornalista e dramaturgo brasileiro Vinicius de Moraes nasceu no Rio de Janeiro em 1913. Lembrado como “poetinha” – nome que lhe terá sido atribuído por Tom Jobim – era um boémio irreverente, apreciador de uísque e tabaco. O amor mulherengo levou-o ao altar 9 vezes. Morreu em 1980.

Nesta samba com sabor a café, Vinicius de Moraes contou com a colaboração do violinista brasileiro Baden Powell, considerado ainda hoje um dos maiores músicos brasileiros da sua geração.